Trilha da Placa-SP

Trilha da Placa-SP

jul 14, 2011

TRILHA DA PLACA – SP

Trecho – Aproximadamente 50 KM.

Grau de Dificuldade – Amador => Sênior => Pro

Pontos de Apoio – Antes do início no intervalo (Cajamar) e ao término do trecho.

Combustível – N/D durante o trecho. Posto de gasolina na entrada de Cajamar.

Esta trilha liga Jundiai a Cajamar cortando a Serra do Japy ao meio, proporcionando passagem por lugares belissimos e com muitos pontos de mata praticamente intocada. Poeira de montão e dificuldades dos mais variados níveis. E como todo trilheiro gosta de encarar desafios, não pudemos deixar de fazer e documentar esta trilha da melhor maneira possível.

Motos abastecidas a pleno tanque, e hora de botarmos novamente as rodas na estrada.. A partir deste momento, mergulharemos na imensidão de uma serra deslumbrante, lugar de belezas pitorescas, pedras imensas, ladeiras insanas e subidas de tirar o fôlego, alem de uma natureza exuberante. E possível, durante a trilha fotografar muitos animais silvestres que normalmente veríamos somente em zoológicos. Macacos, bichos preguiça, lebres do mato e ate mesmo, com um pouco de sorte, tucanos e pica paus, voando livremente pela mata.

Começamos no Pesqueiro Terranova do Toninho, lugar de onde partem as maiores caravanas de trilheiros da bela e montanhosa região de Jundiai. Para se chegar ao pesqueiro, basta seguir o mapa, disponível no final desta matéria.

Pegamos a Estr. de Terranova ate a entrada do Sitio do ……., ponto de entrada na trilha e seguimos diretamente pelo meio da mata, encarando a partir daí, sucessivamente, uma seqüência tão grande de subidas e descidas que chegam a causar enjôo. Alternando pontos de baixa com trechos de alta, o terreno e aderente, convidando mesmo a torcer o cabo.

Entretanto, como eu e o Roberval fazíamos esta trilha pela primeira vez, demos uma maneirada legal no manete, principalmente porque o nosso guia, Mestre Bilão, profundo conhecedor deste trecho, torcia o cabo sem dó, levantando tanta poeira a ponto de não conseguirmos enxergar a trilha. Sem contar que o maluco ia de YZ e nós de simples e mortais XR 200. Não dava mesmo para acompanhar mesmo que a coragem permitisse.

Subida vai, descida vem, chegamos a um dos pontos de dificuldade do trecho, uma descida vincada de erosões e buracos, onde os freios são meros figurantes. Simplesmente a bike não para e descemos toda a rampa, que deve ter uns 150 metros, com os freios literalmente travados.

Final da descida, hora de novamente torcer o cabo para encarar uma seqüência de subidas muito íngremes, acelerando forte mesmo ate chegarmos ao local que, coincidentemente da nome a trilha.  A PLACA !

Trata-se de uma imensa placa de sinalização para os aviões que fazem rota pela Serra do Japy. Possuindo aproximadamente 25 metros de altura por uns 15 metros de largura, quadriculada em branco e laranja, salta aos olhos dos pilotos das aeronaves, por mais míopes que sejam. Localizada num dos pontos mais altos da serra, a visão e o panorama que este pico proporciona são realmente deslumbrantes. Para ter-se idéia, dá para ver as cidades de Cajamar, Jundiai, Polvilho e uma infinidade de vilas, das quais nem sabemos o nome. Num dia claro é possível tirar fotos sensacionais, captando claramente a soberba e imponente natureza que esta região preserva.

Após este breve descanso, aceleramos, ou melhor freamos na descida da placa que, por sinal é tão longa quanto foi a subida, para chegarmos a um outro ponto empolgante da trilha. No final do vale formado pelas montanhas, encontraremos uma bela cachoeira de águas limpas e cristalinas a ponto de matarmos a sede, tirarmos algumas fotos e novamente acelerar para outro ponto culminante deste trecho. O Morro da Pedreira.

Trata-se de uma jazida de pedra granítica preta, cavada na montanha durante anos a fio, a uma altura de tirar o fôlego dos mais corajosos. Imagine somar a altura do morro que deve Ter uns 100 metros de altura a um buraco cavado na rocha de mais uns 50 metros abaixo do nível do chão. Pois bem, você tem então o Morro da Pedreira. Em seu fundo formou-se um lago de águas verdes como a cor da mata,dando tonturas ate mesmo para nós, que olhamos de um ponto bem seguro do barranco. Neste ponto recomendamos ter extremo cuidado, pois a terra, de tão fuçada pelas máquinas de terraplenagem, encontra-se muito solta e fofa, obrigando a tracionar forte mesmo, nas subidas e no altiplano.

Buraco visto, fotos tiradas, vamos voltar para a trilha. No caminho de volta, após uma breve parada pela cidade de Cajamar, onde aproveitamos para calibrar os penus, abastecer as motos e tomar uma cerva geladíssima, estaremos ladeando a Trilha do Oleoduto, que cruza nosso caminho por diversas vezes. Construída para permitir o escoamento de petróleo de Cubatão à refinaria de Paulínia, esta trilha e conservada pela Petrobras e nela podemos ver as subidas e descidas mais insanas vistas ate hoje.

Rampas com mais de 300 metros de comprimento com inclinações acima de 45 graus desafiam a gravidade e a coragem dos que se aventuram por estes caminhos. Somente no final do trecho da volta, por motivo queda de árvores, tivemos que desviar da rota original e encarar algumas das subidas mais leves da Trilha do Oleoduto.

Pretendemos fazer este trecho completamente mas, como nosso tempo era reduzido, deixaremos esta parte para uma futura expedição, onde esperamos contar com maior apoio da galera de Jundiai e melhor ainda, com motos de potência elevada para encarar este desafio, que promete ser um dos mais técnicos e difíceis encarados até hoje.

Final de trilha, estamos novamente no pesqueiro do Toninho, prontos para celebrar mais um dia perfeito de trilhas, recheado de emoções, histórias e tombos, que iremos agora discutir com ajuda de uma cerva geladíssima e uma porção de pintado ou pacu frito de dar água na boca.

Agora, se você optou por fazer esta trilha mas não tem companheiros suficientes ou tem receio por não conhece-la, entre em contato com a gente via email …….

Nos realizaremos encontros e trilhas pela região para que você também possa participar afinal, o PORTAL DA TRILHA tem como maior finalidade, promover o esporte, preservando o Meio Ambiente e integrando a nação Off Road do estado de São Paulo.

Matéria e fotos: Zé Guilherme